Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom
Big in Bombay
Big in Bombay

©Constanza Macras | DorkyPark

press to zoom

Dança | TURNÊ | 2007

CONSTANZA MACRAS 

DORKYPARK

Big in Bombay

Uma sala de espera que, à primeira vista, se parece com qualquer sala de espera em algum lugar do mundo. As pessoas estão por ali, esperando e matando tempo. Cada um deles compartilha esse tempo de espera com estranhos. Uma mistura eclética de música pop, slogans políticos, ilusão de consumo, coreografias de Bollywood e novelas desencadeia a tradição de Bollywood. Tudo o que você descobre aqui como novo já está estabelecido em outras partes do mundo. Slogans como no pasarán apenas decoram camisetas de Che Guevara, seu significado se perde completamente. Embora todas as pessoas estejam em um canto, elas parecem existir em lugares diferentes em todo o mundo. Talvez tudo seja apenas o resultado da imaginação individual. Aqui começa a paranóia. Seus respectivos mundos os abraçam, os mantêm presos em seu estado de ansiedade, em seus saltos mentais e consciências culpadas. Por que nada está acontecendo comigo, enquanto tudo no mundo ao meu redor dá errado? O tempo acelera ou fica parado. Todo mundo tenta desesperadamente se destacar da multidão, fugir de sua própria realidade e identidade cultural. Apropriamos contextos, identidades e imagens para descobrir que finalmente todos estão fazendo o mesmo. Todo mundo sabia de tudo desde o começo, e nós não nos conhecemos antes?

CONSTANZA MACRAS

nasceu em Buenos Aires, Argentina, onde estudou dança e design de moda, na Universidade de Buenos Aires (UBA). Continuou seus estudos de dança em Amsterdã e Nova York (Merce Cunningham Studios). Em 1995, Macras mudou-se para Berlim e dançou para várias companhia. Em 1997, fundou sua primeira empresa, TAMAGOTCHI Y2K. Entre 1998 e 2000, a TAMAGOTCHI Y2K apresentou quatro peças: Wild Switzerland (1998), Face One (1999), In Between (2000) e Dolce Vita (2000), uma performance de música ao vivo site specific que combinou artistas de várias disciplinas. Foi criada como um evento único para cada local específico. De 2001 a 2002, Macras desenvolveu e apresentou a trilogia MIR: A Love Story. Em 2002, ela também curou o projeto PORNOsotros, onde se apresentou com Lisi Estaras (Ballets C. de la B.), sob a direção de diferentes diretores, em quatro peças curtas sobre o assunto da pornografia, no Schaubühne am Lehniner Platz, Berlim . Deu workshops e master classes no Japão, nos Estados Unidos (Walker Arts Center em Minneapolis, 'On the Boards' em Seattle, Índia (India Atakalari Dance Center), França, Itália (Universidade de Roma para Artes Cênicas), Bélgica (Universidade da Antuérpia), Holanda (Fundação Henny Jurriens), Suíça e Alemanha (Hochschule fuer Schauspielkunst 'Ernst Busch' e na University de Artes UdK, ambas em Berlim. Em 2008, Constanza Macras recebeu o Goethe-Institut Award por sua peça Hell on Earth. Macras foi convidada para o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts),  para a William L. Abramowitz Residency. Desde 1961, a série trouxe renomados artistas e escritores ao MIT para se apresentar, apresentar palestras públicas e colaborar com estudantes em programas gratuitos. No mesmo ano, Constanza Macras foi agraciada com o prêmio de teatro nacional alemão DER FAUST de melhor coreografia para a peça Megalopolis, e, ao lado das produções com sua companhia, Constanza Macras também criou Bosque de Espejos (2016) para a Companhia de Balé Permanente do Teatro Colón em Buenos Aires; Soft Cell (2015) encomendado pela Göteborg Opera Dance Company; Paraíso sem Consolação (2008), trabalho de comissão do Goethe Institut São Paulo com dançarinos da companhia e elenco brasileiro. Estreou em São Paulo; Ein Sommernachtsraum (2006), juntamente com Thomas Ostermeier, elenco do Schaubühne e dançarinos do DorkyPark, estreou no Festival Helênico; Pegarle à Bolsa (2004), uma comissão do Goethe-Institut Cordoba (Argentina) e Felicidade (2003) para o Ballet Saarländisches Staatstheater.

BIG IN BOMBAY

Conceito: Constanza Macras, Kevin Slavin | Direção e Coreografia: Constanza Macras | Dramaturgista: Carmen Mehnert | Performers: Nabih Amaraoui, Yeri Anarika Vargas Sanchez, Knut Berger, Nir de Volff, Jill Emerson, Claus Erbskorn, Jared Gradinger, Margret Sara Gudjonsdottir, Rahel Savoldelli, Fernanda Farah, Kristina Loesche-Loewensen, Ulf Pankoke, Christian Buck, Almut Lustig | Design de luz: Jackie Shemesh | Sonoplastia: Stephan Wöhrmann | Cenografia: Lars Müller | Figurino: Gilvan Coêlho de Oliveira | Coreografia de Bollywood: Sangita Shrestova | Música: Claus Erbskorn, Julian Klein/A Rose Is | Vídeo: Constanza Macras, Kevin Slavin | Design de vídeo: Anna Henckel-Donnersmarck

Uma produção Constanza Macras | DorkyPark, Schaubühne am Lehniner Platz, Berlim e spielzeiteuropa /Berliner Festspiele, co-produzido por sophiensaele,  Schauspielhaus Wien e Teatro Comunale di Ferrara, com o apoio do Senatsverwaltung für Wissenschaft, Forschung und Kultur

Produção no Brasil: prod.art.br | Direção de produção: Matthias Pees, Ricardo Muniz Fernandes | Produção executiva: Ricardo Frayha | Diretor técnico: Julio Cesarini

 

Realização: Sesc São Paulo e Goethe-Institut

Sesc Pinheiros

São Paulo, SP, Brasil

02 e 03/10/2007