Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom
Chácara Paraíso
Chácara Paraíso

©João Caldas

press to zoom

Teatro | CRIAÇÃO | 2007

LOLA ARIAS

STEFAN KAEGI

Chácara Paraíso

Chácara Paraíso é o local onde se encontra o maior centro de formação de soldados da Polícia Militar da América Latina, no bairro de Pirituba, São Paulo. Nesse local, todos os dias mais de dois mil soldados aprendem marchas, abordagens e ataques. Existe até uma favela cenográfica para que os policiais ensaiem simulações de ocorrências, segundo eles, "as mais próximas possíveis da realidade". Os diretores teatrais Lola Arias (Argentina) e Stefan Kaegi (Alemanha), que trabalham juntos pela primeira vez, visitaram centros de formação e treinamento, cerimônias de formatura, centros de atendimento psicológico, cavalarias, o Corpo Musical e até a capela da Polícia Militar de São Paulo. Durante este percurso, surgiu uma imagem heterogênea e surpreendente da instituição policial, uma sociedade dentro da sociedade. Chácara Paraíso foi o nome escolhido para uma forma de instalação que mescla o documental e o ficcional, mostrando biografias de pessoas que em algum momento de sua vida atravessaram o universo policial. A peça oferece um treinamento da percepção do público, pois questiona a distinção rápida entre "bom" e "mau". Os espaços vazio do 14ºandar do Sesc Avenida Paulista, agora em reforma, serão ocupados com a arte de pessoas (que não são atores) selecionadas por meio de anúncios em jornais. Elas reconstroem cenas da própria biografia que, às vezes, pode parecer ficção. O público percorrerá as salas em pequenos grupos. Assim a mostra viva quer possibilitar uma aproximação íntima e subjetiva com com policiais, ex-policiais e familiares, que aqui se manifestam de uma maneira que lhes é vedada enquanto guardiões da lei e da ordem: eles podem falar em primeira pessoa. 

STEFAN KAEGI

Quase vinte anos se passaram desde que Stefan Kaegi começou a viajar pelo mundo, em sua empreitada de trabalhar com pessoas comuns ou "especialistas da vida cotidiana", como ele os chama. Abrangendo da Europa à Ásia e América Latina, Kaegi concedeu papéis de liderança a atores não profissionais, que têm histórias interessantes para contar - sejam eles caminhoneiros búlgaros ou policiais brasileiros. Graças à sua contribuição, o diretor suíço criou peças documentais de teatro, peças de rádio e performances de instalação no espaço urbano. Como um dos membros fundadores do famoso grupo de teatro Rimini Protokoll - junto com Daniel Wetzel e Helgard Haug - e através de seu método interdisciplinar, ele investiga a noção de realidade, alcançando uma franqueza imprevista em sua relação com o público. Kaegi recebeu inúmeras distinções, tanto como membro do grupo quanto como individualmente. Entre outros, recebeu o Prêmio Route's Award para diversidade da European Culture Foundation em 2010, enquanto, como membro do Rimini Protokoll, dividiu o prêmio europeu “Novas Realidades no Teatro” em 2008, além do Leão de Prata na Bienal de Veneza de Teatro em 2011.

LOLA ARIAS

Lola Arias (n. 1976, Buenos Aires) é escritora, diretora de teatro e intérprete. Colabora com artistas de diferentes disciplinas em projetos de teatro, literatura, música e artes visuais. Suas produções buscam as zonas de sobreposição entre realidade e ficção. Trabalha com atores, policiais, mendigos, músicos, dançarinos, prostitutas, crianças e animais. Ela encenou Mi vida después (2009) com seis artistas que reconstroem a juventude de seus pais nos anos 70 na Argentina por meio de fotos, cartas, cassetes e roupas velhas; Familienbande (2009) sobre uma família com duas mães em Kammerspiele, Munique; e That Enemy Whitin (2010) em colaboração com dois gêmeos idênticos no HAU, Berlim. No Chile, ela encenou O ano em que nasci (2012), com base em biografias de pessoas nascidas durante a ditadura de Pinochet. Em Buenos Aires, ela produziu Melancolía y Manifestaciones (2012) uma peça sobre a depressão de sua mãe. Sua peça A arte de ganhar dinheiro (2013) foi realizada por mendigos, prostitutas e músicos de rua da cidade de Bremen. Juntamente com Ulises Conti, ela compõe e toca música, e lançou os álbuns El Amos es un francotirador (2007) e Los que no duermen (2011). Seus projetos com Stefan Kaegi, do Rimini Protokoll, são Chácara Paraíso (2007), Airport Kids (2008) e Ciudades Paralelas (2010), um festival de intervenções urbanas em Berlim, Buenos Aires, Varsóvia, Zurique e outras cidades. Arias publicou poesia, ficção e peças de teatro. As obras de Lola Arias para teatro foram apresentadas em festivais como o Festival d'Avignon; Zürcher Theater Spektakel; Wiener Festwochen; Festival Spielart, Munique; Festival Alkantara, Lisboa; Under the Radar, NY; e em locais como o Teatro de la Ville, Redcat LA, Walker Art Center, Museu de Arte Contemporânea de Chicago.

CHÁCARA PARAÍSO 
Mostra de Arte Polícia 

Direção: Stefan Kaegi e Lola Arias | Segundo a idéia do Rimini Protokoll (Haug / Kaegi / Wetzel) | Colaboração artística e Assistência de direção: Cristiane Zuan Esteves | Segundo assistente de direção: Manuela Afonso | com: Beatriz, Cleber Rodrigues Campos, Marcelo, Luis Carlos Tokunaga, Sebastião Teixeira dos Santos, Thiago de Paula Santos Alves, Oliveira, Paulo Roberto do Nascimento, Pedro Amorim, “Flávia”, Eliana Gomes Viana Pires, Marcel Lima, Fábio Amorim, Terezinha Maria de Jesus Santos, e as crianças Jefferson Queiroz da Silva e Jessica Aparecida da Silva | Construção do espaço: Julio Cesarini | Cenotécnicos e contra-regras: Ednomar Mendonça, Wiliam Torres, Nelson Fracola Filho, Juliano Fabricio de Freitas | Edição de vídeo: Marilia Halla | Projeto gráfico: Érico Peretta | Web-designer: Ricardo Campos

Produção: prod.art.br | Direção de produção:  Matthias Pees e Ricardo Muniz Fernandes | Administração: Veridiana Gomes Fernandes |  Produção executiva: Cristina Floria | Assistente de produção: Ricardo Frayha | Assessoria Jurídica: Martha Macruz de Sá  

Realização: Goethe-Institut São Paulo, Sesc São Paulo |  Apoio: Kulturstiftung des Bundes | O projeto integra a Copa da Cultura Brasil+Deutschland 2006, uma iniciativa do Ministério de Cultura (MinC) | Apoio: Residência Artística FAAP

Sesc Avenida Paulista

São Paulo, SP, Brasil

02 a 11/02/2007

Chácara Paraíso mapa.jpg