Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Lesley Leslie-Spinks

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Barbara Braun

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Lesley Leslie-Spinks

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Barbara Braun

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Lesley Leslie-Spinks

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Barbara Braun

press to zoom
Die Dreigroshenoper
Die Dreigroshenoper

©Barbara Braun

press to zoom

Teatro | TURNÊ | 2012

ROBERT WILSON

BERLINER ENSEMBLE

A Ópera dos Três Vinténs

Robert Wilson retorna com esta versão da A Ópera dos Três Vinténs de Bertolt Brecht e Kurt Weill, realizada pelo Berliner Ensemble. Escrita em 1928, essa história de guerra de gangues e corrupção foi pioneira no gênero de comédia musical. A Ópera dos Três Vinténs tornou-se um clássico seminal e foi dirigido por Robert Wilson no teatro fundado pelo próprio Brecht em 2007. Na produção de Wilson, a história de Mackie Messer, Polly Peachum e das Prostitutas de Turnbridge se passa em um cenário influenciado pelo expressionismo alemão e pelo mundo sedutor e sombrio do cabaré da época de Weimar.

ROBERT WILSON

 

Nascido em Waco, Texas, Wilson está entre os principais artistas visuais e de teatro do mundo. Seus trabalhos para o palco não convencionalmente integram uma ampla variedade de mídias artísticas, incluindo dança, movimento, iluminação, escultura, música e texto. Suas imagens são esteticamente impressionantes e carregadas de emoção, e suas produções são aclamadas pelo público e pela crítica em todo o mundo. Após ser educado na Universidade do Texas e no Pratt Institute do Brooklyn, Wilson fundou o coletivo de performances “The Byrd Hoffman School of Byrds”, em Nova York, em meados da década de 1960 e desenvolveu seus primeiros trabalhos autorais, incluindo Deafman Glance (1970) e A Letter to Queen Victoria (1974-1975). Com Philip Glass, ele escreveu a ópera seminal Einstein on the Beach (1976). Os colaboradores artísticos de Wilson incluem muitos escritores e músicos como Heiner Müller, Tom Waits, Susan Sontag, Laurie Anderson, William Burroughs, Lou Reed, Jessye Norman e Anna Calvi. Ele também deixou sua marca em obras-primas como A Última Gravação de Kapp de Beckett,  A Ópera dos Três Vinténs de Brecht/Weill, Pelléas et Melisande de Debussy, Fausto de Goethe, A Odisseia de Homero, Fábulas de Jean de la Fontaine,  Madama Butterfly de Puccini, La Traviata de Verdi e Édipo de Sófocles. Os desenhos, pinturas e esculturas de Wilson foram apresentados em todo o mundo em centenas de exposições individuais e coletivas, e seus trabalhos estão presentes em coleções particulares e museus em todo o mundo. Wilson foi agraciado com vários prêmios de excelência, incluindo uma indicação ao Prêmio Pulitzer, dois prêmios Ubu, o Leão de Ouro da Bienal de Veneza e um Prêmio Olivier. Ele foi eleito para a Academia Americana de Artes e Letras, bem como para a Academia Alemã de Artes, e possui oito títulos de Doutor Honoris Causa. A França o declarou Comandante da Ordem das Artes e das Letras (2003) e Oficial da Legião de Honra (2014); A Alemanha concedeu a ele a Cruz da Ordem do Mérito do Oficial (2014). Wilson é o fundador e diretor artístico do The Watermill Center, um laboratório para as artes em Water Mill, Nova York.

A ÓPERA DOS TRÊS VINTÉNS
 

uma peça de Bertolt Brecht | adaptada da versão alemã de Elizabeth Hauptmann da “Ópera do Mendigo” de John Gay | letras de Bertolt Brecht | música de Kurt Weill | direção, cenário e iluminação Robert Wilson | com Berliner Ensemble

Hans-Jörn Brandenburg e Stefan Rager - Direção musical, preparação vocal | Jacques Reynaud - Figurino | Ann-Christin Rommen - Co-direção | Serge von Arx - Assistente de cenografia | Yashi Tabassomi - Assistente de figurino | Jutta Ferbers, Anika Bardos - Dramaturgistas | Andreas Fuchs / Ulrich Eh - Iluminação

Elenco: Jürgen Holtz, Traute Hoess, Johanna Griebel, Christopher Nell, Axel Werner, Anna Graenzer, Angela Winkler, Georgios Tsivanoglou, Ulrich Brandhoff, Martin Schneider, Boris Jacoby, Winfried Goos, Dejan Bucin, Jörg Thieme, Uli Pleßmann, Michael Kinkel, Janina Rudenska, Ursula Höpfner-Tabori, Laura Mitzkus, Anke Engelsmann, Gabriele Völsch, Georgios Tsivanoglou, Walter Schmidinger

 

Orquestra: Ulrich Bartel, Hans-Jörn Brandenburg, Valentin Butt, Martin Klingeberg, Stefan Rager, Jonas Schoen, Florian Bergmann, Otwin Zipp | Sonoplastia: Joe Bauer

projeto e produção internacional: Change Performing Arts, Milão, Itália | diretor: Franco Laera | coordenadora de produção: Simona Fremder | relações públicas e tradução do texto: Maristela Gaudio

Produção no Brasil: prod.art.br | Direção de Produção: Carminha Gongora, Matthias Pees e Ricardo Muniz Fernandes | Direção Técnica: Júlio Cesarini | Coordenação Técnica: Ana Cristina Irias, André Lucena e Ivan Andrade | Produtores Executivos: Alexandra Roehr, Carlos da Silva Pinto, Daniel Cordova e Ricardo Frayha

Realização: Sesc-SP

Teatro Paulo Autran - Sesc Pinheiros

São Paulo, SP, Brazil

23/04 to 29/05/2016

the gallows_1_small.jpg
Screen Shot 2020-06-18 at 22.29.38.png