Épître aux jeunes acteurs
Épître aux jeunes acteurs

©Alain Fonteray

press to zoom
Épître aux jeunes acteurs
Épître aux jeunes acteurs

©Alain Fonteray

press to zoom
Épître aux jeunes acteurs
Épître aux jeunes acteurs

©Alain Fonteray

press to zoom
0007
0007

©Alain Fonteray

press to zoom

Teatro | TURNÊ | 2009

OLIVIER PY

Epístola aos Jovens Atores

Como resposta ao pedido do diretor do Conservatório Nacional Superior de Arte Dramática de Paris para teorizar sobre a arte teatral destinada a atores amadores, o dramaturgo e diretor Olivier Py escreveu a peça Epístola aos jovens atores (Epître aux Jeunes Acteurs). “A palavra é esse amor que encarna na oralidade sob a forma de uma promessa”, afirma Olivier Py. No palco, os atores John Arnold e Samuel Churin, ganham as risadas do público com interpretações de personagens como o estraga-prazeres, o responsável-cultural, o policial do desejo, o ministro da comunicação e o diretor do conservatório de arte dramática. O espetáculo, que integrou as atividades do Ano da França no Brasil, foi apresentado pela primeira vez no Teatro do Conservatório de Paris, em 2000, e é, de acordo com Olivier Py, uma oportunidade de se dirigir a um público mais amplo que somente aprendizes da arte de atuar. O texto, escrito quando o dramaturgo tinha 35 anos, não se trata de lembrar que a arte de representar o humano é uma aventura política em si ou exaltar a gravidade de sua missão, mas sim uma chance de dar sentido à palavra 'Palavra'.

OLIVIER PY

Autor, diretor e ator, Olivier Py nasceu em 1965. Depois de estudar na Escola Superior Nacional de Artes e Técnicas de Teatro (Ensatt), ele entrou no Conservatório Nacional de Arte Dramática de Paris em 1987, enquanto estudava teologia. Sua primeira peça, Des Oranges et des Ongles, foi encenada por Didier Lafaye em 1988. No mesmo ano, Olivier Py fundou sua própria companhia. Olivier Py é fiel ao Festival d'Avignon, onde seu trabalho foi visto muitas vezes, principalmente em 1995, quando deixou uma marca no Festival ao apresentar O Servo, uma história sem fim, um ciclo de vinte e quatro horas ou em 2006, por ocasião do encerramento do 60º Festival d'Avignon, quando ele fez uma homenagem a Jean Vilar, O Enigma Vilar na Cour d'honneur do Palácio dos Papas. Em 1998, Olivier Py foi nomeado diretor do Centre Dramatique National Orléans. De 2007 a 2011, ele foi o diretor do Odéon-Théâtre de l'Europe. Olivier Py foi encarregado da gestão do Festival d'Avignon a partir da edição de 2014. Cargo que ocupa desde setembro de 2013.

EPÍSTOLA AOS JOVENS ATORES

Texto e direção: Olivier Py | Com: John Arnold e Samuel Churin | Cenário, figurino e maquiagem: Pierre-André Weitz | Iluminação: Olivier Py, auxiliado por Bertrand Killy | Fotos: Alain Fonteray | Tradução: Paulo Chamon e Junia Barreto | Co-produção:Centre Dramatique National D’Orleans eThéâtre Le Point du Jour – Lyon | Produção Adjunta: Odeon – Theatre de L’Europe 

 

Produção no Brasil: prod.art.br | Direção de produção: Matthias Pees e Ricardo Muniz Fernandes | Produção executiva: Ricardo Frayha | Direção técnica: Julio Cesarini

 

Realização: Sesc São Paulo e Consulado Geral da França em São Paulo 

Apoio: CulturesFrance e AirFrance

Sesc Vila Mariana

São Paulo, SP, Brasil

01 a 03/09/2009

Sesc Santos

Santos, SP, Brasil

05/09/2009

postal eletrônico.jpg