King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom
King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom
King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom
King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom
King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom
King Size (MITsp 2018)
King Size (MITsp 2018)

©Simon Hallstrom

press to zoom

Teatro | MITsp | 2018

CHRISTOPH MARTHALER

King Size

Um quarto de hotel com uma cama king size, decorado em tons de azul e florais. Nesse cenário, um homem e uma mulher, acompanhados por uma senhora mais velha, entoam um repertório eclético, que vai de Schumann a The Jackson 5. As ações desses personagens assumem dimensões cômicas, seja quando eles dançam ou quando usam vozes líricas para cantar músicas pop. O diretor Christoph Marthaler confere à musica papel fundamental no espetáculo, criando sons heterogêneos ao combinar composições de diferentes tonalidades, enarmônicos. Mesmo que o efeito seja inicialmente estranho, ele logo se conecta a uma realidade sensível, ligada às relações humanas. Solidão, convenções grotescas e as trágicas vidas cotidianas são evidenciadas com ternura, melancolia e humor.



CHRISTOPH MARTHALER

O suíço Christoph Marthaler tornou-se músico – oboísta e flautista –  antes de frequentar a escola de Jacques Lecoq em Paris, no período pós-maio de 1968. Inspirado por esses dois universos artísticos, começou a criar espetáculos nos quais música e palavra estão em constante diálogo. Foi diretor da Schauspielhaus Zürich no período de 2000 a 2004. Entre suas criações estão Groundings, a Variation on Hope (2004), Riesenbutzbach. A Permanent Colony (2009), Papperlapapp (espetáculo realizado como artista associado ao Festival de Avignon – 2010), Meine faire Dame. Ein Sprachlabor (2012), King Size e Letzte Tage. Ein Vorabend (ambos em 2013). Como diretor, Christoph Marthaler ancora suas peças na vida cotidiana, enquanto joga com as formas de representação. O suíço concebe figuras comuns em um mundo estilhaçado, tratando de questões existenciais e de relacionamento. Considerado mestre na ironia e na discrepância, compõe uma cena poética formada por letras, canções e música.

Direção: Christoph Marthaler | Direção Musical: Bendix Dethleffsen | Dramaturgia: Malte Ubenauf | Elenco: Hildegard Alex, Tora Augestad, Bendix Dethleffsen e Michael von der Heide | Cenografia: Duri Bischoff | Figurino: Sarah Schittek | Iluminação: Heide Voegelin | Gerente de Palco: Stéphane Sagon | Operador de luz: Jean-Luc Mutrux | Camareira: Cornelia Peter | Gerente da turnê: Tristan Pannatier | Produção: Theater Basel / Théâtre Vidy-Lausanne

Produção no Brasil: MITsp
Produtor local de montagem: Ricardo Frayha

Realização: MITsp, Sesc São Paulo
Apoio: Goethe Institut São Paulo, Pro Helvetia
Sesc Vila Mariana
São Paulo, SP, Brasil
03, 04 e 06/03/2018