Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom
Lecture on Nothing
Lecture on Nothing

©Lucie Jansch

press to zoom

Teatro | TURNÊ | 2017

ROBERT WILSON

Conferência Sobre Nada

Como uma homenagem ao revolucionário compositor John Cage, Robert Wilson apresenta Lecture on Nothing, obra de Cage e um dos textos centrais da literatura experimental do século XX. Esta produção foi descrita como uma “abordagem acústica e visual inspiradora ao texto filosófico e poético”, em que Cage se baseou no esquema complexo de duração do tempo similar às suas músicas. “O texto de Cage é encantador, por vezes divertido, digno de citação, assim como intencionalmente enfurecido e profundamente provocativo. O compositor estava em um período de transição, afastando-se de uma composição tradicional para a criação de uma música que incorporava elementos do acaso e que tratava o silêncio com um respeito devotado. Wilson faz coisas excepcionalmente belas. Seus elementos de palco pertencem a museus. Ainda assim, seu teatro é não-narrativo, só pode ser compreendido se experimentado, vivenciado.  “Tudo o que eu sei sobre método”, escreve Cage ao final de sua Lecture on Nothing, “é que quando eu não estou trabalhando, eventualmente acho que sei alguma coisa, mas quando estou trabalhando, fica claro que eu não sei nada.” Outros podem chamar isso de iluminação. Wilson, sublimemente, mostrou porque.” Mark Swed para o Los Angeles Times, 16 de outubro, 2013

ROBERT WILSON

Nascido em Waco, Texas, Wilson está entre os principais artistas visuais e de teatro do mundo. Seus trabalhos para o palco não convencionalmente integram uma ampla variedade de mídias artísticas, incluindo dança, movimento, iluminação, escultura, música e texto. Suas imagens são esteticamente impressionantes e carregadas de emoção, e suas produções são aclamadas pelo público e pela crítica em todo o mundo. Após ser educado na Universidade do Texas e no Pratt Institute do Brooklyn, Wilson fundou o coletivo de performances “The Byrd Hoffman School of Byrds”, em Nova York, em meados da década de 1960 e desenvolveu seus primeiros trabalhos autorais, incluindo Deafman Glance (1970) e A Letter to Queen Victoria (1974-1975). Com Philip Glass, ele escreveu a ópera seminal Einstein on the Beach (1976). Os colaboradores artísticos de Wilson incluem muitos escritores e músicos como Heiner Müller, Tom Waits, Susan Sontag, Laurie Anderson, William Burroughs, Lou Reed, Jessye Norman e Anna Calvi. Ele também deixou sua marca em obras-primas como A Última Gravação de Kapp de Beckett,  A Ópera dos Três Vinténs de Brecht/Weill, Pelléas et Melisande de Debussy, Fausto de Goethe, A Odisseia de Homero, Fábulas de Jean de la Fontaine,  Madama Butterfly de Puccini, La Traviata de Verdi e Édipo de Sófocles. Os desenhos, pinturas e esculturas de Wilson foram apresentados em todo o mundo em centenas de exposições individuais e coletivas, e seus trabalhos estão presentes em coleções particulares e museus em todo o mundo. Wilson foi agraciado com vários prêmios de excelência, incluindo uma indicação ao Prêmio Pulitzer, dois prêmios Ubu, o Leão de Ouro da Bienal de Veneza e um Prêmio Olivier. Ele foi eleito para a Academia Americana de Artes e Letras, bem como para a Academia Alemã de Artes, e possui oito títulos de Doutor Honoris Causa. A França o declarou Comandante da Ordem das Artes e das Letras (2003) e Oficial da Legião de Honra (2014); A Alemanha concedeu a ele a Cruz da Ordem do Mérito do Oficial (2014). Wilson é o fundador e diretor artístico do The Watermill Center, um laboratório para as artes em Water Mill, Nova York.

LECTURE ON NOTHING

Texto: John Cage | Criação, direção e atuação: Robert Wilson | Homem com binóculos: Tilman Hecker | Diretores associados: Tilman Hecker, Ann-Christin Rommen | Dramaturgia: Stephan Buchberger | Visagismo: Manu Halligan | Música: Arno Kraehahn | Video: Tomek Jeziorski | Diretor técnico: Reinhard Bichsel | Tradução do texto: Victor Scatolin

Originalmente comissionada e produzida pela RuhrTriennale (Alemanha)

 

Produção executiva: Change Performing Arts, Milão, Itália | Diretor: Franco Laera | Coordenadora de produção: Virginia Forlani | Relações públicas: Maristela Gaudio | Assistente pessoal de Robert Wilson: Nelson Gellrich

 

Produção no Brasil: prod.art.br | Direção de produção: Ricardo Muniz Fernandes, Ricardo Frayha | Direção técnica: Julio Cesarini | Assistência de produção: Mariana Mastrocola | Equipe cenografia: Ednomar Mendonça, Enrique Casas, Fernando Zimolo, Wanderley Wagner da Silva, Rafael da Silva, William Torres | Equipe iluminação: Igor Sane, Patrícia Savoy, Rodrigo Campos | Equipe sonoplastia e vídeo: Danilo Curvinel, Everton Gomes, Rodrigo Gava | Maquiagem: Leandro Barrocal | Stand-in: Fabricio Licursi | Projeto gráfico: Érico Peretta

Realização: Sesc São Paulo

Sesc 24 de Maio

São Paulo, SP, Brasil

01 e 02/09/2017