Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom
Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom
Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom
Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom
Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom
Los Santos Inocentes
Los Santos Inocentes

©Mapa Teatro

press to zoom

Teatro | TURNÊ | 2011

MAPA TEATRO

Los Santos Inocentes

Todos os anos, no dia 28 de dezembro, a festa dos Santos Inocentes acontece em EN GUAPI: homens usando máscaras grotescas, vestidos com roupas e acessórios femininos, um chicote na mão, percorrem as ruas chicoteando quem quer que esteja no caminho. Homens, mulheres e adolescentes - principalmente afrodescendentes - e alguns poucos turistas brancos tentam escapar ou evitar as chicotadas, mas estranhamente muitos deles se jogam no chão para serem chicoteados. É uma festa, uma celebração, mas para aqueles que nunca estiveram aqui antes, pode muito bem parecer outra coisa: um castigo? Uma catarse coletiva? Um pesadelo? Um massacre paramilitar? Baseado neste evento real, sua documentação e ficção, o Mapa Teatro cria uma encenação teatral e cinematográfica bizarra e delirante que escapa a todas as categorias teatrais. O espectador é testemunha de uma festa que justapõe realidade e ficção, confunde tempos e lugares, coloca vítimas e vitimadores frente a frente, contradiz histórias e testemunhos, desmascarando a teatralidade dos atores armados na Colômbia. Los Santos Inocentes é a primeira parte do tríptico de Mapa Teatro, Anatomia da violência na Colômbia.

MAPA TEATRO

O Mapa Teatro é um laboratório de artistas dedicado à criação transdisciplinar. Sediado em Bogotá desde 1986, o Mapa Teatro foi fundado em Paris em 1984 por Heidi, Elizabeth e Rolf Abderhalden, artistas visuais e de teatro da Colômbia. Desde a sua criação, o Mapa Teatro construiu uma cartografia no meio das artes vivas, um espaço propício para transgredir - fronteiras geográficas, linguísticas, artísticas - e encenar questões locais e globais por meio de várias operações de "montagem de pensamentos". Um espaço de migração, onde mito, história e atualidade existem continuamente; esferas íntimas e públicas; linguagens artísticas (teatro, ópera, cabaré, rádio, instalações de som e vídeo, intervenções urbanas, ações e conferências performáticas); autores e épocas (Ésquilo, Müller, Shakespeare, Sarah Kane, Antonio Rodriguez, Händl Klaus); geografias e idiomas (La Noche / Nuit em francês e espanhol; Muelle Oeste em russo, Un señor muy viejo con una alas enormes em tamul; De Mortibus em inglês, espanhol e francês; voz, imagem e movimento (Psicosis 4:48, Simplemente complicado); memória e cidade (Proyecto Prometeo, La limpieza de los Establos de Augías, Testigo de las Ruinas, Cartografías movedizas); voz, música e eletrônica ao vivo (Simplemente complicado, Historia de amor, La flauta mágica, Orfeo) simulação e realidade (Exxxtrañas Amazonas, Trans/posiciones), documento e ficção, poética e política (Horacio, Los Santos inocentes, Discurso de un Hombre Decente y Los incontados: un tríptico). Daí o interesse do Mapa Teatro nos processos e eventos criativos "in vivo"; na tradução e transposição de escritos e partituras cênicas; e na operação de reunir documentação, arquivos e ficções. Nos últimos anos, o Mapa Teatro concentrou-se particularmente na produção de eventos político-poéticos através da construção de etno-ficções e da criação efêmera de comunidades experimentais. O Mapa Teatro gera processos de investigação e pesquisa artística, desenvolvidas em diversas esferas e cenários de uma realidade colombiana. São laboratórios de imaginação social.

LOS SANTOS INOCENTES

Dramaturgia e direção: Heidi Abderhalden e Rolf Abderhalden | Conselheiro de dramaturgia: Matthias Pees, Martha Ruiz | Com: Heidi Abderhalden, Agnes Brekke, Andrés Castañeda, Julián Díaz, Jose Ignacio Rincón, Santiago Sepúlveda, Claudia Torres, Ximena Vargas | Marimba e vozes ao vivo: Genaro Torres, Dioselino Rodríguez | Design de som, música e eletrônicos: Juan Ernesto Díaz | Design visual: Heidi Abderhalden e Rolf Abderhalden | Figurino: Elizabeth Abderhalden | Cenário e adereços: Rolf Abderhalden, Pierre Henri Magnin | Diretor técnico: Jose Ignacio Rincón | Design de luz: Arno Truschinki, Jean François Dubois | Video: Lucas Maldonado, Heidi Abderhalden | Assitente de gravação sonora: Alejandro Valencia | Edição: Luis Antonio Delgado, Santiago Sepúlveda | Video ao vivo: Ximena Vargas | Diretor de palco: Santiago Sepúlveda | Produção: Ximena Vargas, José Ignacio Rincón

 

Produção: prod.art.br | Direção de produção: Matthias Pees, Ricardo Muniz Fernandes | Produção executiva: Jussara Rahal, Ricardo Frayha | Direção técnica: Julio Cesarini


Realização: Sesc São Paulo

Sesc Pompeia

São Paulo, SP,  Brasil

01 e 03/05/2011