So Little Time
So Little Time

©

press to zoom
So Little Time
So Little Time
press to zoom
Pixelated Revolution
Pixelated Revolution
press to zoom
Pixelated Revolution
Pixelated Revolution
press to zoom
Pixelated Revolution (MITsp 2017)
Pixelated Revolution (MITsp 2017)

©Guto Muniz

press to zoom
Riding on a Cloud
Riding on a Cloud
press to zoom
Riding on a Cloud
Riding on a Cloud
press to zoom

Teatro | MITsp | 2017

RABIH MROUÉ


Tão Pouco Tempo
Revolução em Pixels
Cavalgando Nuvens

TÃO POUCO TEMPO

Rabih Mroué explora mitos, autorretratos e imagens de mártires no espetáculo Tão Pouco Tempo (2016). O que acontece com uma pessoa que reencontra suas imagens na qualidade de um mito maior do que a própria vida? E o que permanece no momento em que suas histórias são substituídas pela propaganda política? No espetáculo, a atriz Lina Majdalanie, esposa de Rabih Mroué, está em um palco todo preto, quase vazio, não fosse a mesa com as caixas contendo fotografias de um mártir. A performer fala laconicamente sobre troca de prisioneiros, restos mortais de soldados e o cadáver de Deeb Al Asmar, um mártir islâmico ficcional, para o qual foram erguidos monumentos. Nas caixas, as fotos manuseadas por Lina vão perdendo a cor, mergulhadas em um líquido. Anos depois, o mártir volta à cidade e aparece a questão: estando vivo, ainda continua ele a ser um herói? É a partir dessa situação absurda que Mroué e Lina fazem um jogo inteligente, engraçado e irônico em um estúdio de fotografia. Ao fazer a desconstrução desse personagem morto, mas depois vivo, o diretor questiona a fascinação por imagens de líderes mortos, muitas vezes mais interessantes do que quando estão vivos. Desde suas primeiras peças, Rabih Mroué perscruta a história de seu país, o Líbano, explorando os pontos de junção e atrito entre a realidade e a ficção, a história real e seus mitos, o palco e suas ilusões. Essa performance é uma tentativa de investigar a relação entre a identidade pessoal e os memoriais públicos em tempos de guerra e pós-guerra. Na criação de Tão Pouco Tempo, o artista libanês contou com a colaboração da sua parceira de longa data, a atriz, diretora e dramaturga libanesa Lina Majdalanie, com quem desenvolveu seus conceitos teatrais e trabalhou em vários projetos, como 33 RPM and a Few Seconds (2012), Photo-Romance (2009) e Biokhraphia (2002), entre outros. 

Dramaturgia e direção: Rabih Mroué | Performer: Lina Majdalanie | Colaboração no Texto: Yousef Bazzie, Lina Majdalanie | Cenógrafo: Samar Maakaroun | Artes Gráficas e Assistente de Direção: Abraham Zeitoun | Assistente de Pesquisa: Andrea Geissler | Tradução do Texto: Patrícia Lopes | Legendas: Yvonne Griesel | Música: Kari’atal-funjan – Abdel Halim Hafez (composta por Mouhamad Al Mouji, Letras de Nizar Qabbani) | Uma produção de Rabih Mroué em coprodução com HAU Hebbel-am-Ufer, Wiesbaden Biennale, Festival d’automne à Paris e Theater de la Bastille |  Patrocinado pelo Federal Cultural Foundation

REVOLUÇÃO EM PIXELS

“Os sírios estão filmando a própria morte”. É com essa senteça que começa Revolução em Pixels (2012), palestra-performance do artista Rabih Mroué, que investiga o ato de documentar, através dos telefones celulares, e compartilhar pelas redes sociais, os acontecimentos dos primeiros anos da revolução na Síria. Rabih Mroué aborda questões como a utilização de fotografias e vídeos para mobilizar e informar as pessoas durante a guerra e a capacidade de tornar viral esses registros. O artista libanês discute como os sírios captam essas imagens em tempo real, relacionando essa documentação com a questão da morte, além de pensar como assimilamos esses materiais.

Performer: Rabih Mroué | Tradução para o inglês: Ziad Nawfal | Tradução do Texto: Patrícia Lopes | Coprodução: Berlin Documentary Forum – HKW, em Berlim, dOCUMENTA 13, em Kassel, The 2010 Spalding Gray Award (Performing Space 122, em Nova Iorque, The Andy Warhol Museum, em Pitisburgo, On the Boards, em Seattle, e The Walker Art Center, em Minneapolis).

CAVALGANDO NUVENS

Quando as lembranças são como imagens fixas, que não trazem cenas do passado, como age a memória? Cavalgando Nuvens é uma fusão do pessoal e do político: Rabih Mroué convida o seu irmão Yasser para desempenhar o papel de um personagem que se parece com ele mesmo. Ferido na guerra civil libanesa, Yasser perdeu a capacidade de usar palavras e começou a gravar vídeos, mesclados no palco com o relato de suas memórias para formar uma imagem subjetiva dos acontecimentos políticos no Líbano. O espetáculo também descreve a frágil construção de uma biografia, que aflora entremeada pela realidade política, pelas memórias, pelos fatos e pela ficção. Para Mroué esse é sempre o ponto de partida para a autorreflexão artística, que ele transpõe para as suas criações.

Dramaturgia e Direção: Rabih Mroué | Performer: Yasser Mroué | Colaboração: Sarmad Lois | Assistente de Direção: Petra Serhal | Assistente: Janine Baroud | Tradução do Texto: Patrícia Lopes

RABIH MROUÉ

O trabalho do libanês Rabih Mroué, ator, dramaturgo e artista visual,nascido em 1967 em Beirute, se estabelece nas fronteiras do teatro, da performance e do vídeo. O artista é conhecido por sua habilidade na desconstrução de imagens que, em suas criações, se tornam narrativas de contradições. Rabih Mroué revela essas contradições ao espectador camada a camada, criando reflexos comoventes do nosso mundo, desfocando os limites entre ficção e documentário, entre imaginação e manipulação. Os conflitos no Oriente Médio, em especial no Líbano, nas últimas décadas, servem como matéria ao artista. No filme Je veux voir (2008), de Joana Hadjithomas e Khalil Joreige, encontrou-se com Catherine Deneuve em Beirute e percorreu de carro as áreas devastadas pelo conflito. Atualmente, Rabih Mroué reside em Berlim. É cofundador do Beirut Art Center, editor colaborador do TDR: The Drama Review (NYC) e diretor de teatro na Münchner Kammerspiele (Munique). Ele foi membro do International Research Center “Interweaving Performance Cultures”/ Freie Universität, em Berlim, nos anos de 2013 e 2014.



Produção no Brasil: MITsp
Produção local de montagem: Ricardo Frayha Equipe técnica local: Julio Cesarini, Rodrigo Campos, Rodolfo Jaquetto, Mariana Mastrocola, Fernando Zimollo

Realização: MITsp, 
Sesc São Paulo
Sesc Vila Mariana

São Paulo, SP, Brasil

14 a 19/03/2017