Te Haré Invencible con mi Derrota
Te Haré Invencible con mi Derrota

©Susana Paiva

press to zoom
Te Haré Invencible con mi Derrota
Te Haré Invencible con mi Derrota

©Susana Paiva

press to zoom
Te Haré Invencible con mi Derrota
Te Haré Invencible con mi Derrota

©Susana Paiva

press to zoom

Teatro | TURNÊ | 2010

ANGÉLICA LIDDELL

Te Farei Invencível com a minha Derrota

Jacqueline Du Pré morreu aos 42 anos por causa de uma grave doença. Identifiquei minha derrota pessoal com a derrota de Jacqueline. A tristeza, o medo, a exclusão e a dor me levaram e me obrigaram a buscar a cumplicidade com os mortos. Houve um instante em que senti a necessidade de comunicar-me com Jacqueline, de falar com ela. Queria que me explicasse o pavoroso conflito, encarnado em seu corpo, entre matéria e espírito. Não queria falar com os vivos. Os vivos tinham me decepcionado imensamento. Recordei Opening Night de Cassavettes, quando Gena Rowlands vai a uma sessão de espiritismo buscando esperança, uma resposta, um pouco dessa piedade que carecem os vivos. Isso é o que busco entre os mortos, entender porque eu (que pouco a pouco me converti em um poço de angústia, terror, solidão e desconfiança, porque eu (que não desejo abandonar a vida, porém desejo morrer), por que eu sigo vivo e Jacqueline não. 
 

AngélicaLiddell

ANGÉLICA LIDDELL

A escritora, diretora e atriz Angélica Liddell nasceu em Figueres, na província espanhola de Girona, em 1966. Em 1993, fundou o Teatro Atra Bilis e, desde então, criou mais de 20 produções com a companhia. Suas peças foram traduzidas para vários idiomas, entre eles francês, inglês, russo, alemão, português e polonês. Entre suas peças estão La falsa suicida (2000), Once upon a time in West Asphixia (2002), Y cómo no se pudrió Blancanieves (2005), Perro muerto en tintorería: los Fuertes (2007) e Ping Pang Qiu (2012). Suas produções El Año de Ricardo, La casa de la fuerza, Maldito sea el hombre que confía en el hombre e Todo mundo na terra (El syndrome de Wendy) tiveram suas estreias mundiais no Festival d'Avignon, no Wiener Festwochen e no Théâtre de l'Odéon em Paris, respectivamente. Para La casa de la fuerza, recebeu o Prêmio Nacional de Literatura Dramática de 2012, concedido pelo Ministério da Educação, Cultura e Esporte espanhol. Em 2013, recebeu o Leão de Prata na Bienal de Veneza. Sua peça Yo no soy bonita foi apresentada no Foreign Affairs em 2013. Atualmente, Angélica Liddell está trabalhando em uma série de peças de teatro sob o título de "Ciclo da Ressurreição". Isso inclui Tandy (estréia mundial no Foreign Affairs 2014), You Are My Destiny (Lo stupro di Lucrezia), que teve sua estreia mundial no Zagreb World Theatre Festival e Primera Carta de San Pablo a los Corintios. Cantata BWV 4, Christ lag in Todesbanden. Oh, Charles! que estreou no Théâtre Vidy-Lausanne em 2015.

TE FAREI INVENCÍVEL COM A MINHA DERROTA

Direção e performance: Angélica Liddell | Iluminação: Carlos Marquerie | Sonoplastia: Félix Magalhães | Técnico de luz: Octavio Gomez | Direção de palco: Carmen Menager | Assistente de produção: Mamen Adeva | Música: Edward Elgar, Concerto para Violoncelo, por Jacqueline Du Pré, e 13º Concerto para Dois Instrumentos em Unissom de François Couperin, por Jacqueline Du Pré e William Pleeth | Produtor: Gumersindo Puche

Produção no Brasil: prod.art.br | Direção de produção: Matthias Pees, Ricardo Muniz Fernandes | Produção executiva: Ricardo Frayha | Direção técnica: Julio Cesarini


Realização: Sesc São Paulo

Mostra Sesc de Artes 2010

Sesc Santo Amaro

São Paulo, SP,  Brasil

27 e 28/11/2010