Trem Fantasma
Trem Fantasma

©Leonard Schattschneider

press to zoom
Trem Fantasma
Trem Fantasma

©Leonard Schattschneider

press to zoom
Trem Fantasma
Trem Fantasma

©Leonard Schattschneider

press to zoom
Trem Fantasma
Trem Fantasma

©Leonard Schattschneider

press to zoom
Trem Fantasma
Trem Fantasma

©Leonard Schattschneider

press to zoom
e-postal.jpg

Instalação & Teatro | CRIAÇÃO | 2007

CHRISTOPH SCHLINGENSIEF

Trem Fantasma

Este projeto, baseado no universo operístico tradicional e na visão particular e crítica do autor da idéia wagneriana da ópera como "obra de arte total", Christoph Schlingensief, ocupou, durante 19 dias, 1200 m2 da então unidade provisória do Sesc Belenzinho com esta obra, que mais do que uma crítica ou a encenação de uma ópera, foi construída não como um espetáculo a ser assistido, mas como algo a ser vivido. Suas obras sempre desmontam os mecanismos da cultura erudita, mixando elementos da cultura considerada de elite a elementos descartáveis da cultura popular no seu mais amplo sentido. Palcos giratórios, projeções, clássicos teatros, bares de esquina, samba, canto lírico, karaokê e música eletrônica, camarotes e camarins, divas e meros figurantes, artistas e pessoas comuns vão compondo algo interminável e feérico nos diversos espaços dessa instalação. Referências conhecidas como fundamentais no mundo da arte aqui se misturam com o mesmo valor, com a profusão de  elementos descartáveis da cultura de consumo dos dias atuais. A entrada neste "universo paralelo" acontece por meio de um Trem Fantasma, no qual tudo e todos que ali embarcam não são mais espectadores e passageiros, mas protagonistas e fantasmas.  

CHRISTOPH SCHLINGENSIEF

Christoph Schlingensief (Oberhausen, 1960 - Berlim, 2010) constantemente desafiava e transgredia fronteiras em sua vida e na arte. Seu trabalho incluiu filmes experimentais e longa metragem, teatro, ópera, performance, instalações, literatura, programas de TV, peças de rádio ... Sua arte antecipa, comenta e reage ao seu contexto social, abordando tópicos como a história alemã, religião, instituição da família e representações da mídia sobre os eventos contemporâneos. Sua demanda radical e provocativa por ação e reação questiona o que ele via como um sentimento destrutivo de complacência política e artística e garantiu sua posição excepcional na arte contemporânea. Nascido em Oberhausen, Alemanha, em 1960, Schlingensief trabalhou internacionalmente por mais de trinta anos, até sua morte em 2010. Schlingensief não se interessou por nenhum meio, Schlingensief transitava entre gêneros e disciplinas que lidam com extremismo político e descontentamento social, história e presente, combinando essas questões com perguntas universais relacionadas à fé e superstição, verdade e engano, vida e morte. Fosse criando filmes, criticando a sociedade, estabelecendo seu próprio partido político, construindo uma reprodução de sua igreja de infância, apresentando-se no palco até ser preso pela polícia local, fundando uma Vila Ópera em funcionamento na África ou instalando exposições em museus, Schlingensief se envolveu profundamente com sua cultura e o meio artístico. Dirigiu peças de William Shakespeare e óperas de Richard Wagner, e foi profundamente influenciado por Joseph Beuys, Rainer Werner Fassbinder e pelo acionismo vienense.

TREM FANTASMA

Instalação, direção e filmes: Christoph Schlingensief
 
Elenco convidado: Klaus Beyer, Karin Witt, Stefan Kolosko | Elenco: Alexandra Borges, Alexandre Antunes, Alexandre Nascimento, Ana Carmen Collado, Andréa Rafael, Andressa Miguel, Antonio Correia, Arnaldo Moura, Apollo Faria, Ana Claudia Faria, Beatriz Nunes, Betiane Cristina, Bruna Vieira, Camila Faria, Camila Nascimento, Camila Vinhas, Cintia Valéria, Clara Coelho, Cleuby de Carvalho, Creusa Barbosa, Cristiane Martins, Darci Campos, Del Cestal, Eduardo Amir, Edilson Morais, Eduardo Lettiere, Érika Inforsato, Fabiana Lucas, Fabrício Pedroni, Fernando Bento, Geraldo Silva, Gilda Moraes, Graziela Campanha, Iolanda Camargo, Isa Silva, Isabel Nascimento, Isis Junqueira, Jailson Nascimento, Jairo Basilio, Joana Darc Pereira, João Luiz Ferreira, João Nascimento Loduvico, Laís Lia Campani, Laryssa Moraes, Leonardo Cavalcanti, Lilian Castanyo, Lourdes dos Santos, Luana Csermak, Luiz Collazi, Marcello Augusto Mesquita, Márcia Malaquias, Márcio Yaccof, Marcos Abranches, Margarida Leite, Maria Aldeny Pinto, Maria Aparecida de Azevedo, Maria Bezerrade Morais, Maria Lucia Ferreira, Maria Rita Ferreira, Maria Rodrigues de Souza, Marina Lopes de Campos, Maxwell de Almeida, Michele Tomás, Miguel Batista, Nina Wiziak, Ones Antônio Cervelin, Osvaldo da Silva, Paula Francisquetti, Paulo Borges, Patrick Aguiar, Paulo H. Santos, Priscila Martin, Priscila Olegário, Reinaldo Silva, Renata Cristina, Renato do Vale, Rodrigo Sanches, Rodrigo Lisboa, Rosa Luna Ferreira, Silvia Rosana Pereira, Simone Luiz, Simony Rodrigues, Suhzy Costa, Tatiana Aguiar, Valéria Manzalli, Verinho, Verônica Giordano, Virgínia Laís de Souza, Vitor Gomes, Weverton Batista, Wilson Benati,Yoshiko Nagahasi

Cenografia: Thekla von Mülheim, Ben Neumann, Julio Cesarini | Figurino: Simone Mina, Vanessa Poitena | Vídeo: Marília Halla | Sonoplasta: Uwe Altmann | Sonorização: Renilson
 Celestino dos Santos | Iluminação: Paulo José Ribeiro | Co-Direção: Sophia Simitzis, Leonard Schattschneider | Coreógrafa: Adriana Almeida | Treinador dos atores: Stefan Kolosko | 
Maquiagem: Émerson Murad, Anderson Batista |  Contribuição de imagens: Georg Soulek (fotos), Aino Laberenz (fotos), Meika Dresenkamp (vídeo e edição), Kathrin Krottenthaler (vídeo e edição)

Produção: prod.art.br | Direção de Produção: Ricardo Muniz Fernandes, Matthias Pees | Assistentes de produção: Clarissa Mastro, Evandro Almeida, Iramaia Gongora, Julian Poerksen, Patricia Brito, Ricardo Frayha, Veridiana Fernandes | Tradutores: Annette Ramershoven, Dieter Gern | Direção técnica: Julio Cesarini | Cenotécnicos: Wiliam Torres, Ednomar Mendonça, Cássio Luiz | Produção de figurino: Rosangela Longhi | Costureiras: Adelina da Silva Gomes, Alcina Nogueira, Silvia de Castro | Camareiras: Catherine de Lima, Inara Gomide | Projeto arquitetônico: Selma Bosquê

 

Realização: Sesc São Paulo, Goethe-Institut

Mostra Sesc de Artes Circulações

Unidade provisória do Sesc Belenzinho

São Paulo, SP, Brasil

22/11 to 03/12/2007